quinta-feira, 29 de maio de 2014

A DIFERENÇA ENTRE CACHAÇA, PINGA E AGUARDENTE

Em setembro de 2013 foram apuradas mais de 4 mil marcas de cachaças registradas no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 


Imagens do Museu da Cachaça, em Salinas, Minas Gerais


AGUARDENTE

É uma bebida alcoólica obtida pela fermentação e 

destilação do suco de caldo de cana-de-açucar e 

vegetais doces. Sua graduação alcoólica está entre 

38º e 54º. Com uma definição tão genérica, 

podemos encontrar aguardentes de frutas, de 

cereais, de raízes e até de bambu. Podem ser 

consideradas aguardentes: a vodka, o uísque, a 

tequila, o saquê e muitas outras bebidas.

Para o Ministério da Agricultura, pela lei brasileira, há até diferenças entre cachaça e aguardente de cana, que pode ter entre 38% e 54% de graduação alcoólica. Assim, toda cachaça é uma aguardente, mas nem toda aguardente é cachaça. que difere as duas bebidas é basicamente o nível de graduação alcoólica, que é definido na hora da destilação. No entanto, o processo de fermentação das bebidas é o mesmo.

Sala dos Aromas, Museu da Cachaça, Salinas, Minas Gerais

CACHAÇA


É o destilado feito do caldo da cana de açúcar com graduação alcoólica entre 38 e 48%. Além disso, quando se adiciona açúcar acima de 6 gramas/litro, o destilado não pode ser mais chamado de cachaça e sim aguardente. Seu nome pode ter vindo da velha língua ibérica cachaza (vinho de borra), um vinho inferior bebido em Portugal e Espanha. 
Caipirinha, à base de cachaça, bebida que se tornou famosa mundialmente.

PINGA
Pinga é o nome vulgar da cachaça. Os dois nomes se referem à mesma bebida. A história por trás da palavra pinga é que a bebida ganhou esse apelido dos escravos encarregados de um dos processos finais da produção, a destilação. Quando ferviam o caldo da cana-de-açúcar nos engenhos, o vapor condensava no teto e pingava sobre eles.
Painel do Museu da Cachaça, Salinas, Minas Gerais

Em meados de 1600, a Coroa Portuguesa proibiu a produção e comercialização da cachaça no Brasil por conta da concorrência com os vinhos portugueses. Com a proibição, diversos alambiques começaram a produzir e vender cachaça clandestinamente, com outros nomes. Foi aí que surgiram novas expressões para denominar a cachaça e enganar os portugueses: pinga, branquinha, água que passarinho não bebe, entre outras. Os brasileiros são tão criativos que é possível que existam mais de 600 apelidos para a bebida.

Nenhum comentário:

IMPRIMIR ESTA RECEITA