domingo, 11 de setembro de 2016

PUDIM DE CACHAÇA COM CALDA DE RAPADURA E MOUSSE CAIPIRINHA - "PROGRAMA COMO SERÁ?"



PARA O PUDIM
1 lata de leite condensado
1 ½ lata de leite (usar como medida a lata de leite condensado)
4 ovos inteiros
10g de maisena
50ml de cachaça envelhecida

PARA A CALDA DE RAPADURA

250g de rapadura
Água o suficiente para derreter a rapadura
50ml de cachaça envelhecida
PREPARO DA CALDA DE RAPADURA

Leve ao fogo a rapadura e água suficiente para derretê-la.
Deixe ferver até chegar no ponto de calda caramelizada, despeje a cachaça. Desligue o fogo. Caramelizar uma forma de furo central para pudim ou forminhas pequenas com furo central como desejar. Geralmente, formas de pudim com 19 cm de diâmetro e reserve.


PREPARO DO PUDIM
Bater todos os ingredientes por 1 minuto no liquidificador. Descansar por 2 minutos para abaixar a espuma e, quando assar, formar os furinhos no pudim.
Despeje a forma caramelada.
Cubra com papel-alumínio e leve ao forno médio (180°C), em banho-maria, por cerca de 40 minutos a 1 hora. 
Depois de frio, leve para gelar por cerca de 3 horas.
Desenforme e sirva. Se quiser, faça um pouco mais de calda de rapadura e sirva à parte.


MOUSSE CREME DE CAIPIRINHA

1 lata de leite condensado
1 lata de creme de leite
Suco de 2 limões (60ml)
Raspas da casca de 1 limão
50 a 100 ml de cachaça (comece com 50 ml, misture e vá acrescentando aos poucos até achar que ficou a seu gosto)

CALDA DE RAPADURA

300g de rapadura ralada
200 ml de água


PREPARO DA CALDA
Coloque a água e a rapadura numa panela e leve ao fogo baixo até tomar consistência de um xarope grosso. Espere esfriar

PREPARO DA MOUSSE
Misture todos os ingredientes, até se tornar uma mistura homogênea e encorpada. Reserve na geladeira por 40 minutos.
Sirva a mousse em taças individuais e regue com a calda de rapadura.
Decore com raspas da casca de limão e uma rodela na taça.

RISOTO DE CARNES DO NORTE DE MINAS COM LASCAS DE PEQUI FLAMBADAS NA CACHAÇA - PROGRAMA "COMO SERÁ?"


INGREDIENTES PARA O RISOTO:
½ xícara (chá) de manteiga de requeijão (manteiga de garrafa)
1 cebola grande picada ou cortada em rodelas finas
5 dentes de alho socados
2 tomates picados
1 vidro de 500g de lascas de pequi em conserva
¼ copo (americano) de cachaça
300g de carne de sol cozida e desfiada
500g de costelinha suína aferventada em água com temperos
4 xícaras (chá) de arroz
250g de linguiça suína caipira fina aferventada e cortada em rodelas
Tempero a gosto (sal ou seu tempero)
1 pimentão verde pequeno picado
Cheiro verde picado a gosto
1 pimenta de cheiro (que não arde) picada
½ copo (americano) de cachaça
PARA DECORAR:
300g de drumetes (coxinhas da asa de frango) cozidas (reserve o caldo do cozimento)
15 ovos de codorna
Pimenta biquinho
12 unidades de pequi cozido (reserve a água)
Cheiro verde picado
Queijo minas curado ralado para finalizar
PREPARO:

Leve ao fogo a panela com a manteiga de requeijão. Junte a costelinha, refogando um pouco. Acrescente a cebola e deixe até começar a dourar, junte o alho. Acrescente a carne de sol desfiada. Abaixe o fogo.
Flambar na cachaça (1/4 de copo) as lascas de pequi escorridas. Misture. Assim, solta mais o sabor no risoto. Coloque o arroz e despeje metade da água do cozimento dos pequis e água fresca.
Enquanto isso e mexendo sempre, polvilhe metade do cheiro verde, metade das linguicinhas. 
Sempre acrescentando a água do cozimento dos pequis, o caldo do cozimento das coxinhas do frango e, se necessário, água fresca, mexendo sempre.
Neste momento, tempere a gosto, coloque o pimentão e pimenta picados.
Quando o arroz estiver cozido e úmido, despeje a cachaça, misture e prove o tempero.

O risoto fica bem molhado e cremoso. Acrescente um pouco de queijo Minas ralado, mexendo sem parar. Desligue o fogo e decore a gosto. Sirva com o queijo minas ralado e pimentas variadas.

Receita desenvolvida pela Chef Bernadete Guimarães


LINGUIÇA ACEBOLADA FLAMBADA NA CACHAÇA
1kg de linguiça caseira aferventada
2 cebolas cortadas em fatias finas
½ copo americano de cachaça
PREPARO
Colocar a linguiça inteira e arrumada em círculo na frigideira com óleo que cubra.
Fritar e, se necessário, virar com cuidado. 
Escorrer o óleo e flambar a linguiça com a cachaça. Adicione as cebolas e deixe chegar ao ponto desejado.

terça-feira, 6 de setembro de 2016

PROGRAMA "COMO SERÁ?" HOJE É DIA DE ...CACHAÇA!!!!


CIRCUITO TURISTICO DA CACHAÇA MG: 
SALINAS, TAIOBEIRAS, INDAIABIRA, FRUTA DE LEITE, RUBELITA

NO “PROGRAMA COMO SERÁ?” 
DIA 10 DE SETEMBRO, NESTE SÁBADO, DAS 7H ÀS 9H, NA TV GLOBO.


Assista, divulgue, vamos juntos com o Brasil e o Mundo prestigiar um programa feito em Salinas, Norte de Minas Gerais para comemorar o DIA DA CACHAÇA que é 13 de Setembro. 
RISOTO DE CARNES DO NORTE MG 
COM LASCAS DE PEQUI FLAMBADAS NA CACHAÇA

As riquezas desta terra que produz a melhor cachaça.

A mistura de cores, sabores e a harmonização da Cachaça com a melhor Gastronomia do Estado.

PUDIM DE CACHAÇA COM MELADO DE RAPADURA
MOUSSE CAIPIRINHA


sexta-feira, 2 de setembro de 2016

ANIS ESTRELADO


Planta originária da China, esta árvore possui grande porte (podendo chegar até 18 metros de altura) e carrega este nome devido aos frutos que gera, tendo formato de estrela. Enquanto no Oriente é utilizado como tempero para frutos do mar e carnes devido ao seu aroma agradável e peculiar ou até mesmo através do seu óleo essencial, no Brasil sua utilidade principal é tratando-se da medicina natural, que orienta que o anis-estrelado seja usado em infusões e chás.
Diferentemente dos outros “anis”, o estrelado possui maior concentração de anetol em sua composição química, sendo assim mais eficaz para efeitos em problemas digestivos diversos, sendo, aliás, unido à cura da gripe, uma das especialidades desta erva medicinal. As partes da planta que se utiliza são os frutos e sementes, sendo também as suas folhas ricas em óleos essenciais como propriedade.

ANIS ESTRELADO NA COZINHA

Combina muito bem com doces, geléias, sobremesas e principalmente com frutas em calda. Experimente colocar uma estrela em compotas de goiaba, manga e até mesmo em doce de banana. 

Combina com shoyu e pode ser usado em caldos e molhos orientais à base deste ingrediente.

Em pratos salgados combina com carnes: frango, carne de vaca e até em caldos para peixes e frutos do mar. Fica delicioso e é muito usado com carne de porco e pato. Experimente marinar costelas de porco com shoyu e anis estrelado.

É usado também com arroz, em sopas, caldos e cozidos.

Pode temperar também tubérculos, fica ótimo com abóbora.

Aromatiza chás. Experimente fazer um chá preto e colocar um pedaço de anis estrelado!

No ocidente é pouco usado na culinária, mas encontrou seu lugar: ele substitui a erva-doce em algumas bebidas famosas como o Pernod, Anisette e Pastis e é usado em algumas sobremesas e balas.

ARROZ DOCE


2 xícaras (chá) de arroz
1 litro de água
1 pedaço de canela em pau
2 unidades de anis estrelado (clique aqui: veja em Ervas e Especiarias)
1 1/2 xícaras (chá) de açucar
1 pitada de sal
600 ml de leite
200g de creme de leite
Canela em pó para polvilhar a gosto
PREPARO
Colocar a água para ferver. Acrescente o arroz, a canela em pau e o anis estrelado. Se necessário acrescente mais água até o arroz cozinhar e ficar macio. Junte o açucar, o sal e misture. 
Deixe ferver, despeje o leite mexendo para não grudar no fundo da panela (o ideal é usar uma panela de alumínio ou ferro grosso). Quando absorver metade do leite, prove o sabor, se quiser adoce um pouco mais, abaixe o fogo e despeje o creme de leite, misture e desligue o fogo. 
O arroz doce fica cremoso. Não deixe secar o leite quando estiver cozinhando. Sirva quente ou gelado polvilhado com a canela em pó.

"Falo agora das minhas lembranças familiares que se repetem sobre grandes travessas de louça, branca e grossa, que recebem o generoso arroz doce, úmido, quase papa, pontuado também com cravos da Índia, além de um banho intenso de canela."
                                                                                                                                                         Brasil Bom de Boca – Raul Lody

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

ROSCA DE MANTEIGA DE REQUEIJÃO



1 xícara (chá) de leite morno
xícara (chá) de água morna
1 xícara (chá) de manteiga de garrafa
3 ovos 
1 1/2  xícara (chá) de açucar
4 colheres (sopa) de óleo 
1 sachê de fermento instantâneo para pão
04 a 06 sementes de cardamomo socadas (opcional, mas dá um sabor incrivel)
Farinha de trigo o suficiente
01 gema diluída em um pouco de leite para pincelar
PARA PINCELAR DEPOIS DE ASSADA
4 colheres (sopa) de manteiga de garrafa derretida para regar as roscas
Açucar, canela em pó para polvilhar
PREPARO
Amornar o leite e a água juntos. 
Bater no liquidificador o leite e água mornos, os ovos, a manteiga de garrafa, açucar, óleo, o cardamomo e o fermento por 1 minuto.
Despejar em uma bacia e adicionar a farinha de trigo aos poucos até formar uma massa lisa. Deve grudar um pouco nas mãos, assim a rosca fica mais leve sem excesso de farinha de trigo. Cubra com um pano e deixe crescer até dobrar de volume.
Modele as roscas como desejar. As da foto, fiz bolas e coloquei ao lado da outra dando espaço para crescer em uma forma de furo central untada com manteiga e enfarinhada com trigo.  
Deixar crescer novamente. Pincele delicadamente com gema diluída em um pouco de leite, ficam com a cor uniforme e um dourado bonito. Leve ao forno pré aquecido para assar 200º, quando crescer abaixe para 180º e asse até dourar. 
Ainda quente, pincele a manteiga de garrafa e polvilhe o açucar com canela.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Viva São João!!

Festa de São João, por Militão dos Santos
Obra de autoria do artista pernambucano de Caruaru, Militão dos Santos. Representante da chamada “arte naïf” (ingênuo, em francês), o pintor tem como um de seus temas históricos e cotidianos as festas juninas, sobretudo a voltada a São João.
As Festas Juninas no Brasil marcam o início do inverno no hemisfério sul. De origem pagã e europeia, os festejos no país acabaram por assumir roupagem religiosa ao longo dos séculos e, por isso, carregam hoje símbolos que remetem justamente a essa história. De que se tem registro, as festas que celebram Santo Antônio, São João e São Pedro passaram a fazer parte do calendário brasileiro em 1583. O costume foi importado dos portugueses. Na Europa, entretanto, essas celebrações não marcavam o início do inverno, mas sim do verão. O dia 21 de junho é importante nessa história. Na data, ocorrem os solstícios de verão no hemisfério norte e de inverno no sul, quando tais regiões contam, respectivamente, com o dia e a noite mais longos do ano.

AS CULINÁRIA JUNINA É UM SHOW À PARTE:
ESPECIFICAS PARA A ÉPOCA

quinta-feira, 19 de maio de 2016

CREPIOCA DE FRANGO COM RÚCULA


Uma versão mais leve do crepe ou da panqueca e sem glúten.

O preparo da crepioca pode ser feito de duas maneiras: unindo a farinha de tapioca com ovo ou leite. Essa mistura de ingredientes faz com que a massa fique mais encorpada e ganhe o aspecto de crepe.

Com ovo ganha mais proteínas graças aos benefícios da clara que é rica no nutriente e, por isso, pode ajudar a recuperar os músculos após a malhação e favorecer o ganho de massa magra. 

Ela ainda possui vitaminas do complexo B, potássio e ferro, aumenta a saciedade, melhora a disposição e a concentração, além de ser aliada para acabar com a flacidez da pele, uma vez que estimula a produção de colágeno pelo organismo.

Já a crepioca que leva leite no preparo também ganha em proteína e tem a vantagem de fornecer mais cálcio ao corpo. 

Porém, a indicação é optar pela versão desnatada para diminuir os níveis de gordura absorvidos pelo corpo. Diz a "nutricionista funcional Dra. Andrezza Botelho".

CREPIOCA COM OVO

1 ovo
1 clara
2 colheres (sopa) de farinha de tapioca
1 pitada de sal

PREPARO
Misture bem o ovo e a clara batendo um pouco para misturar. Acrescente a farinha de tapioca até ficar liso. Faça os crepes em uma frigideira antiaderente, despeje a massa até cobrir o fundo da frigideira, depois vire e asse o outro lado.Rechear a gosto.

CREPIOCA COM LEITE

50 ml de leite
2 colheres (sopa) de farinha de tapioca
1 pitada de sal

PREPARO
Misture bem o leite e a farinha de tapioca até ficar liso. 
Faça os crepes em uma frigideira antiaderente, despeje a massa até cobrir o fundo da frigideira, depois vire e asse o outro lado.Rechear a gosto.

RECHEIO 
Desta crepioca: 100g de frango cozido e desfiado, 3 colheres (sopa) de milho em conserva, 1 tomate pequeno sem sementes picado, cheiro verde picado a gosto, azeitonas e folhas de rúcula picadas a gosto, metade de uma cenoura pequena ralada, sal e azeite a gosto. 
Misture todos os ingredientes, tempere com o sal e regue com o azeite. 
Esta é recheada de cenouras cozidas em cubinhos, cheiro verde, 1 colher (sopa) de creme de ricota, sal e azeite. Por cima cubinhos de cenoura e queijo parmesão ralado. 

sexta-feira, 13 de maio de 2016

DIA NACIONAL DO CHEF DE COZINHA - 13 DE MAIO

Cozinhar é uma das mais antigas atividades humanas, surgida por volta da sete mil anos atrás, quando o homem adquiriu meios seguros de obter e dominar o fogo. 
Já o ofício de cozinheiro, não se sabe exatamente quando surgiu, mas relatos de suntuosos banquetes na corte da  Mesopotâmia por volta de 3000 a.C., por exemplo, confirmam que essa é uma profissão antiqüíssima e, também, mostram que a comida sempre foi um importante elemento nas relações sociais e de poder. 
Justamente por isso, os cozinheiros, que através de sua arte, contribuíam para o aumento do prestígio e do poder daqueles a quem serviam, acabavam por conquistar, eles próprios, prestígio e regalias que os distinguiam entre os seus pares.
Quem prepara os pratos são os cozinheiros, os chefes planejam a execução do prato, o pré-preparo, o preparo, a finalização, a qualidade dos alimentos e os métodos de cozimento. 
Os cozinheiros são geralmente comandados por um chefe.
Ao escolher a profissão de cozinheiro é preciso ter em mente que se trata de uma carreira que, como no exército, possui graus hierárquicos a serem conquistados e que, para se atingir o topo dessa hierarquia, é preciso muito esforço, dedicação, aprendizagem, treino e, sobretudo, gostar do que se faz - e gostar muito. 
Mesmo, assim, isso não basta. É preciso, ainda, possuir características como criatividade, espírito de liderança, organização, capacidade de ensinar, ousadia e muita personalidade para se chegar lá. 

“Nem todo soldado se torna general. Nem todo cozinheiro chega a chef de cozinha”. 

Não há curso que substitua a prática "de campo" nem para o soldado nem pro cozinheiro. Mas, como no exército, cada elemento tem seu papel e sua importância dentro do grupo e sem o trabalho de todos não há resultado possível.
 O chef de cozinha é o profissional responsável pela seleção dos ingredientes, pela preparação dos pratos, pela combinação dos sabores e pela sua apresentação. 
É de responsabilidade do chef de cozinha manter a ordem e a higiene na cozinha, além de coordenar seus auxiliares no preparo dos pratos. 
Para ser um chefe de cozinha é necessário que o profissional se interesse pelos alimentos e pela sua preparação. 
Além disso, outras características interessantes são: responsabilidade; higiene; metodologia; bom senso; facilidade de misturar sabores; capacidade de exercer liderança; espírito inovador; gosto por fazer experiências. 

A gastronomia invadiu outras áreas do entretenimento e da cultura. Nas livrarias, ganhou destaque com variedade de títulos e edições luxuosas, que ultrapassam os R$ 300,00. 

O “cinema do gosto”, como são chamados os filmes da área, ganhou um catálogo de mais de 30 filmes na última década. Só neste ano, foram três destaques: os americanos Chef e A 100 passos de um sonho e  o belga Bistrô Romantique. 

Cozinheiros também invadiram o cinema verdade. 
O que mais chamou a atenção foi "Por que você partiu", que narra a história de notórios chefs franceses que vivem no Brasil. 
CURIOSIDADES
Ao longo da evolução da sociedade, o processo de alimentação passou por várias etapas. Após a passagem do Período Paleolítico para o Neolítico, quando o homem passou de caçador e coletor para agricultor, a fixação à terra trouxe maior abundância de sabores. Foi assim que surgiu a forma mais primitiva de comércio, a base de trocas naturais, pois as pessoas tinham que complementar suas alimentação com produtos que não produziam. 
Com o passar do tempo, técnicas de conservação foram sendo criadas e produtos como ervas aromáticas e sal se tornaram cada vez mais valiosos. Por isso, a busca pelas especiarias foi um dos grandes objetivos do final da Idade Média e início da Idade Moderna. As grandes navegações, com objetivo de chegar as Índias movimentaram a economia nessa época e possibilitaram o descobrimento de muitas outras regiões. 
Muitos gênios conhecidos também se voltaram a culinária, como Leonardo da Vinci, que inventou vários acessórios de cozinha, como o esmagador de alho, e regras de etiqueta, além de muitas novas receitas. 
A culinária também é um elemento cultural importante na cultura de um país, pois ela reflete muitos aspectos como o clima, a agricultura, a população, etc. 
O Brasil é um país com uma cultura culinária muito vasta, o que reflete a condição de país tropical e a facilidade na produção de diversos gêneros alimentícios.
 Texto: Compêndio de reportagens e Bernadete Guimarães




terça-feira, 10 de maio de 2016

10 DE MAIO, DIA DA COZINHEIRA (O)


DIA DA COZINHEIRA (O)! 

Parabéns a todos aqueles que dedicam os dias a 

preparar o alimento do corpo e da alma. 

Que enfrentam o calor, o tempo contra o relógio, 

os imprevistos, o esforço físico incansável, a 

rotina que graças a Deus é variável, 

a alimentar o mundo! 

Meus respeitos com carinho!!


segunda-feira, 9 de maio de 2016

Flan de Baunilha com Calda de Caramelo e raspas de Limão Siciliano

Para uma semana leve....


·         1 envelope de gelatina em pó sem sabor
·   500 ml de leite
·   1 lata de leite condensado
·   1 colher (sopa) de essência de baunilha
·    PREPARO         
     Prepare a gelatina de acordo com as instruções da embalagem e  bata no liquidificador com o leite, o leite condensado e a essência.
·    Coloque em uma forma de buraco no meio untada com um pouco  de óleo de 30cm de dâmetro e leve à geladeira por 3 horas.
·    Desenforme e sirva com calda de caramelo.
     CALDA DE CARAMELO
     1 xícara (chá) de açucar
     1/2 xícara (chá) de água
     1 colher (sopa) de essência de baunilha
     Raspas da casca de limão siciliano a gosto
     PREPARO 
 Leve ao fogo uma panela com o açucar virando a panela até  caramelizar, não precisa mexer com uma colher. Despeje a água e  deixe ferver até formar uma calda de ponto de calda de pudim.  Acrescente a essência de baunilha. Amornar e despejar por cima  do flan. Por cima decore com raspas de limão siciliano.

AFINAL, QUAL A DIFERENÇA? FLAN X PUDIM?
Foram os espanhóis em suas colonizações (México e América Central) que criaram o Flan feito com calda de açúcar queimado (caramelo) e aromatizado com baunilha. Por isso, muitos chefs consideram o Flan uma sobremesa clássica da gastronomia de origem espanhola.

Porém, atualmente o Flan e o Pudim não são diferenciados pelo tamanho, e sim por sua consistência. O Flan é mais sólido que o Pudim, mesmo os dois sendo bem cremosos. Existem milhares de definições para eles, zilhões de receitas e um universo de formatos!



sábado, 16 de abril de 2016

Consultoria em Gastronomia: Degustação de Massas Frescas

As massas artesanais cada vez mais crescentes no mercado e na apreciação dos amantes deste segmento, crescem com força total. As variações de ingredientes que enriquecem as receitas deixaram para trás a simples mistura de farinha, ovos, sal. 
Compostas hoje de odores e sabores das ervas e especiarias como sálvia, tomilho, manjericão, ingredientes da vez como linhaça, chia, nozes, dentre tantas outras mágicas misturas, adentram nos sabores harmonizados com os molhos e queijos que explodem na boca.
Lasanha ao Ragu e Molho Pomodoro

O ritual do preparo das massas requer cuidados e carinho, delicadas não aceitam excessos de ingredientes, medidas certas fazem a textura e o sabor se tornarem especiais.
Canelone de Espinafre com Ricota 
em Creme Branco

Espaguete ao Pomodoro

 Fettuccine ao Ragu com Queijo Parmesão

Fettuccini ao Bechamel aromatizado com Noz Moscada, Pimenta Preta e Cravo da India

Estes pratos foram preparados para esta Chef por Hawyry, Consultoria em Degustação de Aprovação, observações e enriquecimento para Cardápio de Massas Frescas para empresa.

IMPRIMIR ESTA RECEITA